sábado, 6 de julho de 2013

Manuel de Freitas











BETTER OFF WITHOUT A WIFE






Esquece o melhor que puderes.
Há drogas e cinemas (por
enquanto). Não vais ser tu a aprisionar
os gestos felizes ou sem rumo
de que ainda sou capaz.
Não é nada de pessoal, garanto-te.

Bebi sempre de mais, acordo
tarde e as crianças estão longe de ser
o meu animal doméstico preferido.
Detesto horários, famílias e obrigações.
Até a partilha dos lençóis,
quando não é o amor a rasgá-los.

Os dias, porém, depressa
nos obrigam ao esterco das rotinas,
ao desejo inútil de procurar
a morte noutros braços.

Mas não. Não vou mudar de marca
de cigarros nem de pasta
dentífrica. Acordo logo que puder,
já sabes. Telefono-te rouco,
eventualmente triste, a precisar
de alguma liberdade para poder provar,
sozinho, que a liberdade não existe
mas dá bastante jeito.

E no entanto, depois disto tudo,
é altamente provável que eu te queira
amar. Como não sei melhor, como sei.





Por Manuel De Freitas
Arte por Van Gogh


2 comentários:

  1. Alegre por vê-lo de volta aqui, nos brindando com novos poema. Um grande abraço, António!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu próprio já tinha saudades. Um abraço para ti também.

      Eliminar

fale à vontade