domingo, 20 de fevereiro de 2011



PÁSSARO AZUL NO MEU CORAÇÃO






há um pássaro azul no meu coração

que quer sair

mas eu sou muito durão,

e digo, fica aí dentro,

não vou deixar

ninguém te ver.

há um pássaro azul no meu coração

que quer sair

mas eu derramei whisky em cima dele

e inalo fumaça de cigarros

e as putas e os empregados do bar

e os funcionários da mercearia

nunca saberão

que ele se encontra

lá dentro.

há um pássaro azul no meu coração

que quer sair

mas eu sou muito durão,

e digo, fica aí escondido,

quer me arruinar?

quer foder o

meu trabalho?

quer arruinar

as minhas vendas de livros

na Europa?

há um pássaro azul no meu coração

que quer sair

mas eu sou muito esperto,

e só o deixo sair à noite

às vezes

quando todos estão dormindo.

e digo, eu sei que você está aí,

por isso

não fique triste.

depois,

coloco-o de volta,

mas ele canta pouco lá dentro,

não o deixo morrer de todo

e dormimos juntos

assim

com o nosso

pacto secreto

e é bom o suficiente

para fazer um homem chorar,

mas eu não choro,



e você?






Por Charles Bukowski
Tradução por jeffvasques

2 comentários:

  1. Eu choro... e há momentos que escuto o canto deste pássaro azul em meu peito.

    Um beijo António, boa semana e sucesso na Ocida Poética!!!

    Carmen.

    ResponderEliminar
  2. Oi Casa caminhante,

    Tenho guardado os links dos blogs que acho mais interessantes (alguns, de amigos de longa data, se tornaram mais que amigos de letras, amigos de encontros).

    Não vou me lembrar mais como cheguei até sua casa, mas sei que gostei de vir aqui.

    Tenho comentado pouco nos blogs, inclusive nos mais queridos, é que esse tempo nos escapa e a poesia absorve o pouco tempo que tenho para ler e escrever.

    Fique à vontade para trazer os poemas que encontrar nas minhas casas.

    Bjs,
    Carol

    ResponderEliminar

fale à vontade