sábado, 18 de junho de 2011

















A PROPÓSITO DE ESTRELAS









Não sei se me interessei pelo rapaz

por ele se interessar por estrelas

se me interessei por estrelas por me interessar

pelo rapaz hoje quando penso no rapaz

penso em estrelas e quando penso em estrelas

penso no rapaz como me parece

que me vou ocupar com as estrelas

até ao fim dos meus dias parece-me que

não vou deixar de me interessar pelo rapaz

até ao fim dos meus dias

nunca saberei se me interesso por estrelas

se me interesso por um rapaz que se interessa

por estrelas já não me lembro

se vi primeiro as estrelas

se vi primeiro o rapaz

se quando vi o rapaz vi as estrelas







Por Adília Lopes

6 comentários:

  1. O essencial é o interesse. Um poema em um labirinto para se encontrar a resposta. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  2. Que interessa a ordem, mas quando vi as estrelas vi a noite e ao ver a noite vi Van Gogh e ao ver a arte vi a vida....bom ler tão boa poesia.

    Um beijo António e boa semana.

    Carmen.

    ResponderEliminar
  3. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog desinformação seletiva. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pelo convite, Nayara. Passarei em breve pelo blog a que se refere. Talvez este final de semana, se não me faltar o tempo.
    Abraços

    António Amaral Tavares

    ResponderEliminar
  5. Oi, boa noite!!

    Vou levar esse poema comigo, porque eu já o reli muitas vezes e cada vez gosto mais dele. Espero que não se importe de me emprestá-lo por tempo indeterminado para mim!

    Abs,
    Carol

    ResponderEliminar
  6. Viva Carol. Pode levar o poema à vontade, ainda bem que gostou.
    Abraços

    António

    ResponderEliminar

fale à vontade